Mundo Digital X Mídias Tradicionais: o que você precisa saber

Nos últimos dez anos, podemos dizer que um outro universo invadiu o nosso mundo: o digital trouxe inúmeras possibilidades, acelerou a velocidade dos nossos relacionamentos, da troca de informações, da necessidade de consumo e mudou nossa forma de viver em sociedade. Antes deste fenômeno, o telefone era o meio de contato mais ágil e o que a gente não conseguia resolver hoje, podia ficar sem problemas, para amanhã. A era dos aplicativos de mensagem esticou nosso expediente de trabalho, praticamente eliminou o conceito de horário comercial e nos colocou em uma espécie de plantão 24 horas: definitivamente não é 100% bom e muito menos, saudável. Trata-se de um ritmo alucinante, que carece de limites, pelo bem da saúde de todos. É certo também que a tecnologia trouxe facilidades como a possibilidade de home office, já reconhecida em legislações trabalhistas de diversos lugares do mundo, inclusive do Brasil.

A internet ainda encurtou distâncias, eliminou fronteiras, fez quem está longe, ficar mais perto mas como efeito colateral, também afastou quem está lado a lado. Como todo avanço, o digital trouxe prós e contras e cabe a cada um de nós, fazer escolhas que permitam extrair o melhor deste mundo. Ainda há um caminho a trilhar. No campo da comunicação, o impacto não foi menor. Sempre que cada nova plataforma surge é normal que a anterior se sinta ameaçada e até sofra perdas de audiência e consequentemente, comerciais também.

Assim foi com o rádio, quando a TV surgiu; assim está sendo com a TV e com o jornal impresso, com o advento da internet. A Rede trouxe novas formas de ouvir rádio, de assistir TV, de ler um livro, jornal ou revista, de interagir, com tudo, junto e misturado. E no meio disso tudo, vem a pergunta: no mundo digital, como ficam as mídias tradicionais? É fato que a internet revolucionou todo o processo de comunicação, trouxe competitividade e a necessidade de muitos veículos se reinventarem, em busca de sobrevivência. Os aplicativos deixaram tudo na palma da mão e acessível a qualquer hora. A geração atual não aceita mais esperar determinado horário para se reunir na frente da TV, para assistir ao capítulo da novela ou aquele filme de sucesso. Séries inteiras podem ser assistidas em algumas horas, nas chamadas maratonas, programa preferido de muita gente, nos momentos de folga. No Brasil, já são mais de 100 milhões de usuários e o reflexo disso é que as redes sociais agora pautam os grandes veículos de massa, afinal, apesar do nome, a grande massa já nem é mais propriedade deles, eles, os públicos.

Quer outra prova desta transformação? Pois bem, basta refletir nas últimas eleições presidenciais. A internet roubou a cena, foi a plataforma de milhares de discussões e o resultado reforçou o poder da grande rede em detrimento de veículos bastante influentes: é a dinâmica do mercado de comunicação, sempre em transformação, sempre em movimento. Um aspecto importante é a confiabilidade. Mídias tradicionais tendem a ter mais credibilidade, pela questão do tradicional, como está no nome. Para um público mais conservador, a divulgação nestes canais tende a ser vista como algo sério, real, que de fato, merece crédito. Por outro lado, a interatividade permitida no online também agrega a sua mensagem, na medida em que os lovers - amantes de uma determinada marca, evento produto ou personalidade, podem compartilhar a informação, recomendar a divulgação e ainda contar a própria experiência.

Tudo isso gera credibilidade também. Um detalhe muito importante: ao mesmo tempo em que temos os lovers, também temos os haters na internet. E neste meio, em que tudo é vivido com tanta intensidade, quem odeia, odeia com muita força e faz questão de declarar isso também. Um bom plano de marketing digital precisa prever estas situações e formas de contorná-las da maneira mais positiva possível. Reagir negativamente a um comentário ruim pode gerar um desastre que levará tempo para ser corrigido. Muita calma nessas horas. Outro ponto é o alcance. O ROI - Retorno sobre Investimento é essencial para a definição da estratégia. A vantagem da internet, especialmente das redes sociais, é que é possível fazer uma minuciosa segmentação do público a ser atingido, diferentemente do que acontece nas mídias tradicionais. Normalmente, o custo da publicidade na internet também é inferior em relação as mídias tradicionais.  

Novos Caminhos

TV, rádio, flyer, panfletos, redes sociais, marketing digital: uma agência de comunicação ou uma agência de publicidade pode indicar as melhores ferramentas de marketing para o seu negócio. Há inclusive, agências especialistas em mídias digitais, para quem quer focar no online. Publicidade e Propaganda e, ou Marketing Digital: vai depender do planejamento de comunicação, traçado de acordo com os objetivos a serem atingidos. Investir na mídia offline ou na online, ou em um pouco de cada é decisão que deve levar em conta variáveis de mercado como ações dos concorrentes e público-alvo a ser atingido. Ambas são úteis e podem surtir efeitos bastante interessantes. Isso porque, embora tenhamos as mais recentes gerações exageradamente conectadas, ainda há um volume significativo de pessoas que preferem o offline. Faixa etária, profissão, escolaridade são algumas dentre diversas características que podem determinar essa preferência. .  

Conte com a consultoria de quem entende, conte com a Agência Caravela!


Escolher a melhor estratégia, definir como investir em comunicação de forma assertiva: definitivamente não são tarefas fáceis. A Agência Caravela tem atuação de resultado nos quatro pilares da Comunicação Integrada: Marketing Digital, Assessoria de Imprensa, Comunicação Interna, Publicidade e Propaganda. Antes de arriscar sem a segurança do retorno certo, entre em contato com a gente. Vai ser um prazer apresentar tudo o que podemos fazer por você e pela sua empresa!

–– compartilhar