E-mail Marketing: quem nunca recebeu um? Que tal começar a enviar?

É a famosa mala-direta digital. Chega ao seu e-mail, oferecendo uma promoção, produto ou serviço. Para ser eficaz, esta ferramenta precisa ser utilizada de forma inteligente. Isso vai evitar que o seu e-mail marketing seja mais uma mensagem na caixa de entrada, sem ao menos ser lida por quem a recebeu.

Segmentação É como um quebra-gelo. É a mesma coisa que você chegar para alguém e puxar um assunto. Se a pessoa se interessar, ela irá continuar a conversa. Se não, ela vai desconversar ou simplesmente ignorar. É exatamente por isso que o método das quatro fases é capaz de gerar grandes resultados mesmo com pequenas listas. Você irá selecionar as pessoas certas, aquelas que realmente têm interesse naquilo que o seu negócio oferece. O aprofundamento do interesse das pessoas acontece na etapa de engajamento.

Engajamento Na segmentação, você comunica ao público que em um determinado dia e horário irá falar sobre um assunto específico. Na fase de engajamento é hora de entregar aquele assunto específico, e ele não pode ser “qualquer coisa”. A informação passada durante a etapa de engajamento precisa ser muito útil, algo que seja capaz de fazer a pessoa gerar resultados apenas com o conhecimento ensinado naquele conteúdo. É o chamado valor imediato. Imagine que uma pessoa escreve um livro fenomenal de 497 páginas e resolve disponibiliza-lo gratuitamente, como um bônus para quem se cadastrar em sua lista de e-mail. Você leria o tal livro? Provavelmente não. Ele pode ter muitas informações úteis, mas é gigantesco, leva muito tempo para ser consumido. O resultado é que a pessoa nem sequer lê o livro pela metade e acaba não aproveitando o verdadeiro potencial que ele possui. E se a pessoa não aproveita o valor, ela não irá perceber que você tem a solução para o problema dela. É por isso que a geração de valor imediato é tão importante. Na fase de engajamento você precisa preparar um conteúdo que entregue o melhor da sua estratégia no menor tempo possível. A lógica é simples: quanto mais rápido a pessoa perceber que você tem a solução para os problemas dela, mais propensa ela se sente a colocar em prática as suas dicas. E se as dicas rápidas que você deu funcionam, imagina o que as suas orientações mais detalhadas podem fazer.  

Então, resumindo: a pessoa pode até estar desconfiada, mas coloca o e-mail na sua lista para “ver qual é”. Isso acontece porque você foi bem em cheio e passou uma mensagem chamativa para quem tem interesse por um determinado assunto. Aí você disse que iria ensinar a fazer algo X e, de fato, ensinou a fazer esse algo X sem nenhuma enrolação, no menor tempo possível. Além disso, tirou dúvidas e interagiu com as pessoas que deram esse voto de credibilidade para você e resolveram acompanhar a sua campanha. No momento em que a pessoa vê que a sua informação realmente é muito útil e entende que pode ter vários benefícios com ela, é feita a oferta.

- Reset de Atenção: esta fase é o diferencial. Muitas empresas erram porque acham que o relacionamento que elas formaram com o cliente é à prova de decepções. O resultado disso é que elas fazem oferta seguida de oferta, para sempre.

Você vai dar uma “folga” sobre aquele assunto para o seu público, e isso será feito com um conteúdo de valor, mas que não possui relação direta com a última campanha. Ele será o seu café para que a pessoa possa dar uma pausa e passar para uma próxima campanha. O reset de atenção também será usado nas pessoas que simplesmente preencheram o seu conteúdo e não interagiram com a campanha. Elas simplesmente não se interessaram de verdade pela sua campanha e, por isso, precisam que você mude o foco do assunto dentro da sua lista e quem sabe assim, se interessarem por essa nova proposta.

E-mail Marketing: quem nunca recebeu um? Que tal começar a enviar?
–– compartilhar